You are currently browsing the tag archive for the ‘garota’ tag.

Contei para uma amiga que segue o blog esta história: ela ficou bem surpresa e me deu o conselho de coloca-la no blog. Bom… sigo este conselho inaugurando uma nova categoria para o blog, chamada “Piradas”.

Em primeiro lugar quero dizer que todos nós temos fantasias sexuais, de qualquer tipo: não cabe a nós julgar as pessoas que gostam de determinadas coisas. Eu sou bem “mente aberta”, por como vocês podem entender por este blog. Porém, gostaria de relatar experiências que tive no passado e que foram “além” dos cânones de padrão “aceitável” sexualmente falando.

Conheci há uns 5 anos Luiza. Loira, alta, branca, delicada. Uma moça de família, inserida na sociedade maranhense. Parente de pessoas bem conhecidas aqui no Maranhão. A conheci na faculdade: ela era recém chegada na turma, não falava com ninguém, só com um rapaz homossexual e com uma CDF. Um dia eu tinha chegado com bastante antecedência na sala de aula. Ela então já estava lá e começamos a papear. A aula começa e ela pede meu MSN em um bilhete. Dou o bilhete com meu email então e na noite conversamos.

Ela me conta que teve uma filha, o pai a abandonou e que gostaria de conhecer outra pessoa, mas que os homens que conheceu não valem nada e tal. Eu então escuto a conversa, até que, minutos depois ela torna-se bem mais picante. Ela fala que está com falta de sexo, que está pegando fogo e que gostaria que eu fosse a pessoa que irá apagar seu fogo. A conversa é excitante, a menina é gata… Então dou mais abertura a ela. Ela diz que tem a fantasia de ser estuprada na cama, barbaramente. Fico meio assustado com isso, nunca tinha conhecido uma garota com estes desejos. Mas aí eu topo.

O encontro foi como qualquer um: fui buscá-la na sua casa. Iríamos ao cinema, jantar e depois motel. Programinha perfeito. Quando ela desce de seu apartamento, vejo que ela está com uma mochila enorme, parecendo de viagem. Ela sorri e fala: trouxe brinquedinhos. Aquilo era no mínimo sinistro. Porém fomos ao cinema, ver uma comédia romântica e comemos um sushi no Kitaro. Programinha nada mal, parecia de namoradinhos. Ela pede para eu beber bastante Ice. Não entendia o porque.

Então bebi, bastante, e fomos ao Le Baron, na suite sado, como ela pediu. Ela então tira daquela mochila um lençol vermelho. Ela diz que não quer manchar o lençol daí. Vai ao banheiro e coloca uma fantasia de estudante. Me dá um chicote, uma corda e uma faca de borracha. A cama é uma jaula… E ela então amarra na cara uma pochete. E fala:

“A coisa é a seguinte: eu quero que você brinque de me estuprar. Aqui está uma faca de brinquedo, então você vai me comer, bater, ameaçar e fingir de me matar. Vou falar pra você parar, mas você vai continuar. Só pare quando eu falar “maçã”, será nossa senha”.

Era estranho, porém meu pau ficou duro somente a pensar o que poderia fazer. Então amarrei Luiza: vestida como uma colegial indefesa, começou a chorar. Tirei meu pau e o enfiei na boca dela: ela chorava realmente e enquanto chupava sentia as lagrimas caindo pra cima do meu pau, descendo até as bolas. Ela gritava “Por favor, me deixe ir!”. E então comecei a comer sua boceta. Ela gritava tanto que eu tinha medo que alguém do motel fosse bater a porta para ver se estava tudo bem. Bato no rosto branco dela, ela geme entre a dor e o prazer e isso é fantástico.

Pego então a faca de brinquedo e a passo nos seios dela. Excitada, pega da pochete um saco como aqueles de suquinho, com dentro xarope de groselha. Ela estoura então um saquinho, fingindo que seja sangue: Luiza grita, berrando “Não me mata, não me mata”.

Parece algo bizarro, mas admito que fiquei excitado como poucas vezes em minha vida. Então ela consegue se desamarrar, cavalga meu pau, pega a faca e finge de estar me esfaqueando, pegando mais sacos de “sangue”. O sabor de sexo misturado com a groselha era algo realmente excitante. Seu rostinho manchado de vermelho me deixou com vontade de foder mais ainda! Então pego ela de 4, puxando o cabelo e colocando a faca no pescoço dela.

Ela então enfia um dedo no cu enquanto como a boceta dela… pede para eu comer o cu, e lá vou eu: bem gostoso, bem abertinho. Depois de um tempo tiro meu pau e ela o pega pra chupar. Pede para que eu chupe a boceta dela. Enquanto então vou chupar seu clitóris bem grande e gostoso sinto algo estranho. Ela estava fazendo xixi. Nunca tinha feito algo parecido: foi esquisito. Era muito xixi e bem branquinho, por causa da ice que bebeu. Ela encharcou o meu peito com o mijo dela. Fiquei meio enjoado e excitado ao mesmo tempo.

Como eu tinha bebido bastante ice, então puxo meu pau pra fora e faço o mesmo nela. Ela pega, bebe, molha sua cara. Estávamos ambos bem bebados e sem freios: nada mais importava. Bem sujos então começamos a foder, onde cheiros e fedores se misturavam: sabíamos que estávamos fazendo algo realmente fora do comum. Foi bem longa a foda. Ela pegou todo o suco de groselha e se molhou toda: toda cheia de “sangue” pede para ser gozada. Então dou um longo e forte jato de porra, que suja sua cara e seu cabelo de cabelereiro caro.

Até então eu nunca tinha tido experiências com sexo extremo: no máximo tinha rolado um tapinha, ou um xingamentozinho. A partir desta experiência, nada mais me “chocou”, muito pelo contrário. Para muitos pode parecer nojento e fora da normalidade, porém… quem somos nós para dizer o que é “normal”? O sexo é algo realmente enriquecedor, isso foi o que descobri com esta experiência com Luiza.

A partir daí então descobri minha verdadeira fantasia sexual: satisfazer as fantasias da parceira. Juro que não existe nada mais excitante do que ter uma mulher em suas mãos, realizando aquilo que ela não teve coragem de fazer com homem algum.

Até mais lindas leitoras e queridos leitores.

Leitoras e leitores, venho a compartilhar mais uma experiência no Blog 100 Garotas, que além de uma simples contagem e relato de experiências sexuais é também um espaço onde podemos discutir sobre o comportamento humano em geral.

Relendo alguns posts anteriores, fui verificando que a maioria das mulheres com que eu fiquei desde que inaugurei o blog tem noivo/marido/namorado ou tem algum tipo de compromisso. Isso é um dado assustador na minha opinião. Isso quer dizer que as relações monogâmicas estão fora de moda?

Dificilmente vejo uma mulher ou um homem que estão em uma relação afirmarem de nunca terem traído. É um fato a ser analisado. Na minha opinião, há uma onda de compromissos prematuros. Me explico melhor: todos querem desesperadamente alguém para amar. Não teria outra explicação.

As pessoas nem tem idade para namorar e já tem compromissos… Fazem filhos logo, moram logo juntos e aí, na primeira oportunidade, pulam a cerca. E isso é tão normal que até os hits sertanejos (ou sertanojos) falam quase sempre de traição.

Hoje aconteceu algo inusitado. Fui ao churrasco de uma amiga queridíssima que fazia aniversário e sentei numa mesa com alguns amigos. Chega um amigo meu com a namorada, Juliana. Uma garota linda, loira, baixinha, muito refinada. Ela parece bem chateada com ele. Não se falam o tempo todo. Eu então, puxei um papo com ela, pra não deixá-la avulsa na mesa. Conversamos sobre amigos em comum e sobre viagens, nada de anormal. Não houve sedução, não houveram olhares, nada de nada.

O namorado dela (viciado em carros) sai da mesa com alguns amigos para olhar o motor do carro de um rapaz aí. Juliana então, sentada ao meu lado aperta minha coxa. Eu levo um susto gigantesco, pois não esperava com isso. Então dou só um sorrisinho e falo “Juliana… calma”. Não sabia o que dizer ou o que fazer. Fingi um telefonema e saí da mesa.

Vou então dentro da casa da minha amiga… Entro na cozinha e vejo Juliana vindo atrás de mim. Confesso que eu estava bem excitado com a situação. Juliana chega na cozinha e tranca a porta com a chave. Me beija e agarra meu pau, duríssimo. Eu estava totalmente sem jeito. Mas aí veio a razão e parei.

“Juliana, você está louca…” eu disse.

“Não estou! Você que não tirava os olhos de mim” disse ela.

O que de um lado podia ser algo realmente excitante, pra mim podia ser  um ato de covardia total. Uma coisa é ficar com uma garota que namora alguém que eu não conheço (e isso não faz a mínima diferença pra mim); outra é eu comer a noiva de um amigo, um parceiro. Isso não se faz. Então, com toda a minha polidez falei:

“Juliana… você é linda. Gosto muito de você e muitos caras dariam um braço para estar no meu lugar agora. Mas não posso fazer nada contigo. Se um dia você terminar com seu namorado, eu ficaria contigo com todo o prazer do mundo”.

Juliana ficou constrangida. Chateada até. Saiu da cozinha e foi pra perto do namorado. Foram depois de cinco minutos. Acho que fiz a coisa certa. Atitude e responsabilidade em um homem é tudo. Eu poderia ter feito um sexo selvagem e gostoso naquela casa, escondido de todo o mundo…

Mas homem de verdade não age desse jeito. Homem tem que ter atitudes certas. Não posso pensar em comer a garota que meu amigo está querendo casar. Viriam à tona todas as conversas que tive com ele, onde fala que está economizando para realizar o casamento dos sonhos… Agora: se ela terminasse com ela, adoraria tê-la aqui nesse blog!

Boa semana!

Foi muito estranho. Coloquei no ar esse blog há uma semana e uma garota entrou em contato comigo, perguntando se eu nunca tinha cogitado em sair com uma garota que seguia o blog. Eu falei logo: “Depende, se houver química e física”. Aí ela me enviou algumas fotos, nos adicionamos no MSN (sim, ainda existe…) e conversamos pela webcam. E amigos, tenho que dizer: ela é uma GATA! Decidimos então marcar uma saída para este final de semana, no sábado. Mas ontem a tarde ela me ligou, perguntando que horas eu saía do trabalho, pois ela estava livre e com muita vontade de me ver. Topamos na hora.

Marcamos ás 20h00 no Subway do Marcus Center: um lugar tranquilo, com pouca gente, para podermos ficar mais a vontade. Cheguei pontual (sou obcecado pela pontualidade) e fiquei alí… sentado, esperando por mais de meia hora. Enquanto isso encontrei até um casal de amigos que não via ha muito tempo e conversamos alí. Na hora em que eles foram embora ela chega. Confesso que eu estava levemente irritado de esperar tanto (ainda mais morrendo de fome dentro de um Subway), mas ela era realmente gata!

Morena, cabelo longo e liso, olhos verdes, corpão… Não o tipo de mulher que frequentaria um cara como eu. Ela chegou logo com mil pedidos de desculpa, coisa que me fez esquecer tudo que tinha pensado sobre ela até aquele momento. Pedimos nosso sanduíche e conversamos por mais ou menos uma hora. Ela é uma atleta e joga em um time importante do Maranhão. Ela me pediu para não escrever qual esporte por medo de ser identificada (o nome que vou dar a ela é Cristiane, nome decidido por ela mesma). Tem 18 anos, mas jeito de uma mulher de 28: forte, decidida, sabe o que quer. Me contou boa parte da sua vida, sua relação com o pai não muito presente e o bom relacionamento com a mãe. Eu contei de mim também. Rimos, foi bem legal. Aí eu levantei, paguei a conta e fomos dar uma volta… no Eros Motel (aliás, estou indo sempre lá. Eu deveria pedir ao Motel me patrocinar as estadias em troca desta publicidade no Blog).

Entramos no quarto e ela me encheu de perguntas sobre o blog: “porque está fazendo isso?”, “se você encontrar uma namorada irá continuar?”, “você não tem medo que descubram sua identidade?” e por aí vai. Confesso que são perguntas interessantes e que nunca questionei a mim mesmo, talvez retornarei a esses temas em uma próxima postagem.

Ela me beijou e o que no começo podia parecer em uma santinha se transformou em um furacão. Sempre digo isso: as garotas que parecem safadas e que prometem fazer isso e aquilo, na verdade não são nada comparando com as santinhas que explodem na cama. É o tipo de mulher que mais me atrai. Tirou a roupa e pediu para mamar nos seios dela. Enquanto isso, ela estava sentada em mim, sentindo meu pênis ficando sempre mais duro debaixo dela. Os seios eram macios e gostosos, poderia ficar lá por horas! Ela se ajoelhou, desabotoou minha calça e disse que queria mamar… Ela chupou meu pau por bastante tempo, batendo no rosto dela, enquanto pedia se estava bom. Peguei ela e a deitei na cama… Chupei ela até gozar na minha boca! O cheiro era muito gostoso e ela gemia como uma louca, só com minha lingua dentro dela.

Ela pegou meu pau e colocou a camisinha: acho muito legal isso, mulher deve ter a iniciativa de colocar a camisinha e assim não tornar esse momento constrangedor. Muito pelo contrário, foi bem sexy o jeito dela. Ao enfiar meu pênis na vagina dela senti que ela estava bem apertada e quente… Mesmo assim depois de um pouco deslizou que era uma beleza. Ela gemia muito e a santinha que podia parecer no começo se tornou uma grande safada: adorei. Homem que é homem gosta de mulher que na cama não tem freios e ela não tinha algum! Enquanto ficava em cima de mim pedia para brincar com o cuzinho dela. Ao tentar enfiar meu pau ela falou “han han, hoje não… na próxima”.

Gozei dentro dela, comendo-a por trás, chupando a lingua dela e apertando seus peitos. Cansamos. Ficamos muito suados e tomamos um banho gelado juntos. Conversamos por mais uma hora, foi bem legal. Confesso que agora escrevendo isso fiquei com saudades. Adorei.

Nota Cristiane: 9,0

Fizemos uma página do blog no Facebook, para vocês ficarem por dentro das novidades do Blog 100 Garotas!

Curtam a página aqui: http://www.facebook.com/pages/Blog-100-Garotas/494913157238979

Já temos uma menina que pediu para ser avaliada no blog! Ela é bem gatinha e vamos sair no fim de semana. Ela faz questão de ter um post aqui! Vamos ver no que vai dar.

Um beijo para minha admiradora numero 1!

E um beijo para todas vocês que me seguem!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.